Seu portal de informações sobre o mercado de investimentos.

Variáveis para a análise de um fundo imobiliário

Cidade (charles parker)

Ao analisar um Fundo Imobiliário algumas questões não podem ficar de fora. Confira algumas dessas variáveis que não podem faltar na sua análise de um fundo imobiliário.

1 – LOCALIZAÇÃO

Essa é a provavelmente a variável mais falada dentro do mundo dos negócios imobiliários, e de fato, é um dos pilares na busca por um fundo imobiliário que agregue valor ao cotista. Existem regiões pelo Brasil que são “joias” para um investidor de fundos imobiliários, claro, isso vai variar a depender da classe do FII analisado, afinal, o setor de lajes corporativas possui critérios bem diferentes de competitividade se comparado com o de logística, etc…

Vejamos por exemplo à região da Faria Lima em São Paulo:

Fonte: JLL

Quem é paulistano com certeza já ouviu falar dessa região, afinal, é a sede de muitas empresas multinacionais e nacionais aqui no Brasil. Um dos fatores que contribui para esse destaque é a proximidade ao maior centro consumidor e econômico do País (SP), o que é determinante para a valorização dos empreendimentos imobiliários na região.

Assim, mesmo com a pandemia a Faria Lima tem conseguido se recuperar de forma mais célere que diversas outras regiões Brasil a fora. Para um investidor de fundos imobiliários, conhecer as principais variáveis responsáveis por agregar valor aos empreendimentos é fundamental para garantir o sucesso no investimento, por isso, sempre busque saber mais sobre onde estão localizados os imóveis do seu fundo.

2 – GESTÃO DO FUNDO IMOBILIÁRIO

Essa é uma variável bem interessante, afinal, trata bastante sobre como o “lado humano” do fundo está funcionando, afinal, mesmo que o imóvel tenha uma excelente localização, se o gestor não possui tato com o mercado, seja ele personificado na figura do locatário (quem aluga o imóvel) ou do cotista, dificilmente esse fundo conseguirá crescer de forma saudável.

Identificar uma boa gestão não é uma tarefa tão simples quanto pode parecer, ela exige um conhecimento mais aprofundado do mercado imobiliário e da dinâmica de um fundo imobiliário. Mas, existem alguns pontos em que eu posso te ajudar!

Por exemplo, uma das formas de identificar uma boa gestão é analisar a forma como ela se relaciona com o locatário, assim, se existe grande rotatividade dentro dos imóveis ou se a gestora não consegue repassar aumentos nos alugueis e nem mesmo reduzir a vacância em um prazo célere (sem uma boa justificativa), já temos diversos sinais negativos para essa gestora.

Só uma consideração, a rotatividade de locatários é até saudável nos ativos, o problema é quando isso se alia a uma vacância e frequência persistentes, mesmo em bons imóveis essa é a fórmula para o fracasso. 

3 – QUALIDADE DO IMÓVEL (AAA, AA, A…)

A sociedade como um todo é semelhante ao próprio ser humano em nível individual, nós todos gostamos de coisas novas e que estejam em consonância com as tendências da nossa época (via de regra), essa característica do homem reflete também nos imóveis dentro da economia. Por exemplo, atualmente a pauta ESG está bem em alta, por isso, vários fundos imobiliários começaram a buscar imóveis com padrões construtivos que respeitem o meio ambiente e favoreçam o consumo de energia eficiente.

Dentro dessa linha, imóveis antigos tendem a perder valor, mesmo bem localizados, afinal, o diferencial passa a ser não só o espaço em que o imóvel se encontra, mas também o que a própria estrutura oferece ao locatário. Uma das táticas de contornar isso quando se tem prédios antigos é através da realização de “retrofits” que buscam modernizar a estrutura e adequá-la a modernidade.

A atualização dos ativos e mesmo a rotação deles é geralmente um outro sinal de uma boa gestão, mas lembre-se, cada setor dos Fiis possui especificidades diferentes, por exemplo o setor logístico tende a valorizar imóveis com o pé direito alto, grande capacidade de carga no piso e proximidade a rodovias e estradas, essas características não necessariamente se aplicariam a imóveis corporativos e nem a hotéis.

Conclusão

Você deve ter notado que cada um desses pontos depende do outro, com isso podemos concluir que a análise de um fundo imobiliário é multifatorial, tanto quanto uma ação! Obviamente eu poderia criar um ranking de importância para cada variável, mas se eu excluir uma única sequer eu aumento o risco do meu investimento e quem investe corretamente sabe muito bem como gerenciar os próprios riscos!

Aqui no Ticker 11, buscamos avaliar o máximo de fatores possíveis para que os nossos clientes tenham segurança na hora de investir!

Compartilhe esse Artigo:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Compartilhar no email

Continue lendo:

Queremos transformar qualquer pessoa em investidor e tornar a vida de todo investidor mais fácil.

O Ticker 11 é o seu portal de informações e análises sobre Fundos Imobiliários, Ações, Fundos de Investimentos e Previdência e Criptomoedas

Economize tempo e dinheiro investindo com a Ticker 11!

Nossos especialistas acompanharão o mercado pra você e trarão as melhor oportunidades em um relatório semanal com carteira recomendada de alta performance!

Acesse gratuitamente um relatório e análise do FII BCFF11!

Basta digitar o seu e-mail ao lado para receber gratuitamente no seu e-mail um relatório da Ticker 11 sobre o fundo imobiliário BCFF11.